Proteção Radiológica  |  PRAC  |  Avaliação Ambiental  |  Licenciamento Ambiental  |  PRTR  |  Emissões Atmosféricas  |  Qualidade do Ar Ambiente  |  Térmitas  |  Ruído  |  Extracção de Inertes



Destaques
 
Inventário Regional de Emissões de Poluentes Atmosféricos - IRERPA
 Mais »
Relatórios da Qualidade do Ar
 Mais »
Relatórios do Estado do Ambiente
 Mais »
Relatórios de Implementação do PRTR na RAA
 Mais »
 
Últimos conteúdos
 
Mapa de Site
Início prazo preenchimento RAA 2018
IRERPA2018
Relatório da Qualidade do Ar 2018
 

Outros Equipamentos e Sistemas


Estão abrangidos nesta categoria os seguintes equipamentos:

  • Unidades de refrigeração de camiões e reboques refrigerados;
  • Equipamentos de refrigeração instalados em veículos móveis (rodoviários não pertencentes às categorias M1 e N1);
  • Equipamentos de refrigeração instalados em navios e embarcações
  • Equipamentos de refrigeração instalados em aeronaves;
  • Outros.

De acordo com o n.º 1 do artigo 8.º do Regulamento UE n.º 517/2014, os operadores de unidades de refrigeração de camiões e reboques refrigerados, que contenham gases fluorados com efeito de estufa não incorporados em espumas, devem providenciar que a recuperação desses gases seja efetuada por pessoas singulares detentoras dos certificados pertinentes previstos no artigo 10.º do referido diploma, de modo a que esses gases sejam reciclados, valorizados ou destruídos.

Para as unidades de refrigeração de camiões e reboques com quantidades iguais ou superiores a 5 toneladas de equivalente de CO2 de gases fluorados ou quantidades iguais ou superiores a 10 toneladas de equivalente de CO2 para equipamentos hermeticamente fechados, estão definidas periodicidades mínimas para a deteção de fugas.

Relativamente às intervenções técnicas a realizar nos equipamentos ou sistemas, recomenda-se que o Operador recorra a técnicos e empresas certificados ou possuidores de atestação de formação por Organismo de Certificação ou de Atestação de acordo com o previsto no Decreto-Lei n.º 145/2017, de 30 de novembro.

Assim, para o caso dos equipamentos de refrigeração instalados em veículos móveis, sejam rodoviários, embarcações, aeronaves ou outros, é recomendado recorrer a técnicos certificados no âmbito do n.º 1 do artigo 9.º do Decreto-Lei n.º 145/2017, de 30 de novembro, ou seja, os mencionados nos “Equipamentos Fixos de Refrigeração, Ar Condicionado e Bomba de Calor”.

No caso dos sistemas de ar condicionado instalados em veículos rodoviários a motor não pertencentes às categorias M1 e N1 definidas no anexo II da Diretiva 70/156/CEE (exemplo: climatização do habitáculo de veículo rodoviário pesado de passageiros ou de mercadorias), recomenda-se recorrer a técnicos possuidores de atestado de formação no âmbito do artigo 12.º do Decreto-Lei n.º 145/2017, de 30 de novembro.

No caso dos sistemas de ar condicionado instalados em embarcações, recomenda-se recorrer a técnicos certificados no âmbito do n.º 1 do artigo 9.º do Decreto-Lei n.º 145/2017, de 30 de novembro.

No caso de equipamentos de refrigeração e sistemas de ar condicionado instalados em navios, recomenda-se que o Operador proceda à deteção de fugas em todos os equipamentos ou sistemas que contêm gases fluorados com efeito de estufa e proceda à reparação da(s) mesma(s) se existir(em). Até 1 mês após a data da reparação, o Operador deve proceder à verificação da eficácia da reparação e à avaliação da eventual necessidade da repetição do procedimento.

Recomenda-se, igualmente, que o Operador de equipamentos de refrigeração e sistemas de ar condicionado instalados em navios proceda ao Registo da Aplicação/Equipamento (RAE) em ficha modelo. Caso o equipamento ou sistema possua dois ou mais circuitos de refrigeração independentes, deverá ser preenchido um registo por cada circuito independente.

Este RAE é constituído por uma identificação do equipamento ou sistema, onde constam os dados técnicos do mesmo, e pelos dados referentes às intervenções técnicas efetuadas no equipamento ou sistema. A ficha de registo carece de atualização a cada intervenção técnica efetuada no mesmo, desde que a mesma interfira com as partes do equipamento que contém gases fluorados.

Este registo permitirá conhecer o histórico do funcionamento do equipamento. Cada atualização do registo deve indicar o número do registo de intervenção (numeração do caderno de registo de atividade fornecida pelo Organismos de Certificação do técnico qualificado que efetuou a intervenção) respetivo e ao RAE podem ser anexos os mencionados registos de intervenção.

Recomenda-se, igualmente, que o Operador proceda à Comunicação Anual de Dados, até 31 de março de cada ano, indicando, para o ano civil anterior:

  • Quantidade de cada gás fluorado com efeito de estufa que tenha instalado;
  • Quantidade de cada gás fluorado com efeito de estufa que tenha recuperado para efeito de recarga;
  • Quantidade de cada gás fluorado com efeito de estufa que tenha recuperado para efeito de regeneração e destruição.

Esta comunicação deve ser feita em nome do detentor dos equipamentos ou sistemas aos quais se respeita a utilização dos gases fluorados com efeito de estufa. Para tal deverá ser utilizado o Formulário online para a Comunicação de Dados cujo manual de preenchimento está disponível online. Para aceder ao formulário, os operadores têm de se registar e iniciar a sua sessão.

<< voltar


Numero de Visitantes
  887053  
Zonas
 

Açores
Corvo
Faial
Flores
Graciosa
Pico
Santa Maria
São Jorge
São Miguel
Terceira

 

 

 


23 de agosto de 2019

Muito Bom








 
 

HOMEMAPA DE SITEMISSÃOCONSULTAS PÚBLICASLEGISLAÇÃOBIBLIOTECA DIGITALPERGUNTAS FREQUENTESCONTACTOSFORMULÁRIOS ONLINE

©2004-2019 Presidência do Governo dos Açores
Todos os Direitos Reservados

Portal do Governo dos Açores
Governo Regional dos Açores  UE