CENTROS
PEPGRA  |  SRIR  |  Semana dos Resíduos  |  Resíduos no GRA  |  Sigestein  |  LEGISLAÇÃO  |  LINKS  |  CONTACTOS



Destaques
 
Feira da Semana dos Resíduos | 8ª Edição da Semana dos Resíduos dos Açores
 Mais »
Lista de Operadores de Gestão de Resíduos
 Mais »
Lista de Entidades Gestoras de Fluxos Especificos de Resíduos atualizada
 Mais »
Números de registo da Guia Regional
 Mais »
 
Últimos conteúdos
 
Despacho n.º 689/2018, de 2 de maio de 2...
Despacho n.º 11275-E/2017, de 22 de deze...
sessao valorfito
Valorize os óleos alimentares usados
 
Centros de Processamento de Resíduos dos Açores


     

Imagens do Centro de Processamento de Resíduos da Graciosa


  1. Enquadramento  

Os Açores são uma Região Autónoma de Portugal, com o estatuto de região ultraperiférica da União Europeia, devido às suas características insulares, arquipelágicas e de grande distância em relação a qualquer um dos continentes, uma vez que se situam no Atlântico nordeste. Os Açores são constituídos por 9 ilhas, sendo que as mais afastadas distam cerca de 600 km entre si, e distam 1400 km do território continental europeu. A totalidade das ilhas ocupa cerca de 2 332 km2 (a mais pequena 17 km2 e a maior 745 km2) e todas as ilhas são habitadas, sendo a população total aproximada de 250 000 habitantes.

As especificidades próprias dos sistemas insulares representam dificuldades técnicas acrescidas e o agravamento de custos da gestão dos resíduos. No caso concreto dos Açores, essas especificidades ocorrem em múltiplos aspetos, designadamente na deficiente infraestruturação para o tratamento e destino final dos resíduos, no atraso na implementação da recolha seletiva e triagem, no aumento da quantidade dos resíduos de embalagens e nas dificuldades na respetiva reutilização e valorização devido à importação por via marítima da maior parte dos bens consumidos.

Por outro lado, a exiguidade e isolamento do território insular determina economias de escala reduzidas, o que encarece as soluções de tratamento e destino final dos resíduos, tendendo-se à multiplicação de soluções, ou ao transporte marítimo dos resíduos para outras ilhas de maiores dimensões, ou, ainda, para o continente.

Estas especificidades determinaram a missão da política da Região Autónoma dos Açores na área dos resíduos, baseada na prevenção da produção de resíduos e na recuperação do seu valor, minimizando, simultaneamente, o impacte ambiental negativo dessa valorização, na valorização dos recursos naturais, na proteção dos ecossistemas e na garantia da saúde pública.

Nos Açores existe um quadro legal e institucional de gestão dos resíduos conforme com os novos desafios e oportunidades que nesta matéria se colocam no âmbito da União Europeia. Esse quadro legal assenta no regime jurídico para a prevenção e gestão dos resíduos na Região Autónoma dos Açores, aprovado pelo Decreto Legislativo Regional n.º 29/2011/A, de 16 de Novembro, o qual transpõe nomeadamente a Diretiva n.º 2008/98/CE.

Uma política de gestão de resíduos assente em princípios de racionalidade, eficácia e sustentabilidade financeira associados a um esforço de equidade social e de reconhecimento das especificidades insulares constitui uma mais-valia em domínios essenciais para a qualidade de vida dos cidadãos e para a competitividade das atividades económicas na RAA. Nesse sentido, a gestão de resíduos constitui um dos eixos fundamentais em que se deve basear a estratégia de desenvolvimento sustentável para a Região Autónoma dos Açores, o que determinou a elaboração do Plano Estratégico de Gestão de Resíduos da Região Autónoma dos Açores — PEGRA, enquanto instrumento de gestão territorial de política sectorial do ambiente, com impacte territorial, aprovado pelo Decreto Legislativo Regional n.º 10/2008/A, de 12 de Maio. O PEGRA tem vigência de 7 anos, traduzidos pelo período de 2007-2013 e abrange as seguintes tipologias de resíduos: urbanos, industriais, florestais, agrícolas e hospitalares.

Assegurando a coesão regional, sustentando e garantindo a eficácia do quadro legal regional do sector dos resíduos, a componente material do PEGRA refere-se à definição dos programas e projetos a desenvolver para a consecução das orientações e objetivos nele consignados, em sintonia com as estratégias sectoriais potenciadoras de fatores de sustentabilidade que o Governo dos Açores tem vindo a implementar. Entende-se que as políticas públicas de ambiente, nomeadamente no domínio dos resíduos, se devem pautar por uma primeira linha marcada pela prevenção e redução da produção de resíduos pela sociedade, com uma segunda linha dedicada à operacionalização de um conjunto de tecnossistemas destinados ao tratamento, valorização ou eliminação das diversas tipologias de resíduos, incluindo a resolução do passivo ambiental existente neste domínio.

Em suma, o PEGRA visa contribuir para a implementação de infraestruturas tecnológicas que assegurem a qualidade do serviço e a proteção ambiental, encorajando a eco-eficiência do sector empresarial e promovendo a sustentabilidade económico-financeira do sistema de gestão de resíduos. Noutra vertente, o PEGRA procura enfatizar a garantia do acesso à informação e a dinamização da participação pública, fomentando o conhecimento, a educação, a formação e a qualificação dos recursos humanos. O PEGRA consubstancia, ainda, a âncora apropriada para uma gestão de resíduos em respeito pelas obrigações nacionais e comunitárias sobre esta matéria, no respeito pelos princípios sócio-económicos nelas consagradas. 


  2. Operacionalização das soluções

Na operacionalização do PEGRA, o Governo Regional dos Açores promoveu a conceção dos projetos dos Centros de Processamento de Resíduos para as 7 ilhas de menor dimensão e já iniciou o processo da sua construção. Os Centros de Processamento de Resíduos das Flores, da Graciosa e do Corvo, ilhas classificadas pela UNESCO como Reserva da Biosfera, foram os primeiros a ser construídos e a concessão da sua exploração está em fase de concurso público.

Nos Centros de Processamento de Resíduos, as estruturas fundamentais para gestão de resíduos são:

    - o Ecocentro, onde são depositados seletivamente os resíduos recolhidos na ilha, tais como monstros, resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos, pneus, óleos, entre outros;

    - o Centro de Valorização Orgânica por Compostagem, para a transformação dos resíduos orgânicos e verdes produzidos localmente através de biodegradação aeróbia, de forma a reduzir a respetiva massa e volume, produzindo, se possível, um corretivo de solos - o composto - com qualidade suficiente para a sua aplicação agrícola;

    - e a Estação de Transferência, que permite o acondicionamento e a compactação dos resíduos urbanos e resíduos industriais não perigosos recolhidos indiferenciadamente, em contentores estanques apropriados para o efeito, para posterior encaminhamento para destino adequado.

 

  3. Ecocentro

O Ecocentro é composto por uma zona onde podem ser entregues, diretamente pelo produtor, os resíduos suscetíveis de reciclagem e/ou tratamento em instalações específicas, bem como aqueles que, sendo de produção doméstica, podem ser classificados como perigosos ou não são comportáveis no sistema de recolha de resíduos urbanos.

O Ecocentro é composto pelas seguintes unidades:

    - Uma zona de contentores de vários tamanhos normalizados, destinados a rececionar/armazenar diferentes tipologias de resíduos, nomeadamente óleos minerais usados, óleos alimentares usados, tintas, solventes, pilhas, baterias e lâmpadas fluorescentes. As diferentes tipologias de resíduos são armazenadas em separado de forma a promover a sua valorização por fluxos e fileiras;

    - Os alvéolos, construídos em betão armado, com e sem contentores, que se destinam ao armazenamento dos diferentes materiais: vidro, papel/cartão, plásticos, metais ferrosos e não ferrosos, madeiras, resíduos verdes, pneus usados, monstros não metálicos, resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos (REEE) e entulhos (RCD), com vista a promover a sua valorização por fluxos e fileiras;

    - Áreas de armazenamento de veículos em fim de vida (VFV), de pneus, de RCD e de outros resíduos volumosos (REEE, monstros não metálicos).


  4. Centro de Valorização Orgânica

O Centro de Valorização Orgânica tem uma conceção que o divide em 2 partes correspondentes, por um lado, às fases de preparação e compostagem propriamente dita e por outro, à fase de maturação do composto produzido. Como principalmente a 1.ª fase do processo pode gerar odores suscetíveis de incomodar as pessoas, o ar extraído das instalações será sujeito a desodorização, por meio de ventiladores extratores e biolfiltro, de forma a não causar perturbações nas redondezas e garantir um ambiente limpo no interior do edifício.

Os resíduos biodegradáveis são colocados em diferentes camadas a formar leiras, de modo a contribuir para a relação C/N em condições apropriadas ao processo e a conferir-lhe uma estrutura mais favorável ao arejamento e à penetração da humidade.
 

  5. Estação de transferência

Os resíduos urbanos e resíduos industriais não perigosos recolhidos indiferenciadamente são compactados e acondicionados na estação de transferência, permitindo o encaminhamento dos resíduos para fora da ilha. Para além dos resíduos urbanos e resíduos industriais não perigosos indiferenciados, o refugo dos centros de valorização orgânica serão encaminhados para esta infraestrutura.

A estação de transferência considera como base o conjunto de tremonha e compactador fixos ao nível da plataforma de descarga e ao nível da compactação. O posicionamento dos contentores metálicos será feito por um conjunto de carros de transferência, com translação transversal sobre carris.

Consulte abaixo mais informações


    - Apresentação da selagem das lixeiras nas Flores
    - Apresentação da selagem da lixeira da Graciosa
    - Registo das concessões dos Centros de Processamento de Resíduos


Numero de Visitantes
  660023  
Zonas
 

Açores
Corvo
Faial
Flores
Graciosa
Pico
Santa Maria
São Jorge
São Miguel
Terceira

 





 





 

HOMEPLANOS DE PREVENÇÃO E GESTÃOEDUCAÇÃO E PROMOÇÃO AMBIENTALTRANSPORTEFLUXOSOPERADORESCENTROSLICENCIAMENTOS

©2004-2018 Presidência do Governo dos Açores
Todos os Direitos Reservados

Portal do Governo dos Açores
Governo Regional dos Açores  UE