FREGUESIAS  |  TRADIÇÃO E PRODUTOS TÍPICOS  |  ONDE DORMIR  |  ONDE COMER  |  O QUE FAZER  |  ITINERÁRIOS  |  COMO CHEGAR
1
Últimos conteúdos
 
Conferência EUROPARC 2017 - Montanhas Má...
Governo dos Açores abre nova fase de can...
III Fórum 2016 Notícia
III Fórum 2016
 
Destaques
 
Conferência EUROPARC 2017 - Montanhas Mágicas
 Mais »
III Fórum de Renovação da Carta Europeia de Turismo Sustentável
 Mais »
Agenda das Terras do Priolo - Outubro
 Mais »
Dia do Milho
 Mais »
 
Recuperação da Floresta Laurissilva

  

Ao longo dos projetos LIFE Priolo e LIFE Laurissilva Sustentável, diversas áreas de floresta natural ou Laurissilva foram intervencionadas com o intuito de erradicar as espécies invasoras presentes e incrementar a qualidade do habitat, através da plantação de espécies nativas. Estas áreas requerem uma intervenção continuada, de modo a diminuir a pressão da vegetação exótica invasora neste habitat. As ações desenvolvidas pelos projetos LIFE permitiram recuperar uma área significativa de floresta Laurissilva (cerca de 275 ha., através da remoção de espécies invasoras).

As áreas que sofreram intervenção, por ordem cronológica, foram:

* Miradouro da Tronqueira (2004 - 2006): A área de floresta que se avista do miradouro da serra da Tronqueira alberga a maior bolsa de floresta nativa existente em São Miguel. Ao longo das últimas décadas, esta área foi sendo progressivamente ocupada por espécies vegetais invasoras, como a Conteira e a Cletra, entre outras.

* Jardim de Endémicas da Reserva Florestal da Cancela do Cinzeiro, Nordeste (2005): Na Reserva Florestal de Recreio da Cancela do Cinzeiro (sob gestão do Serviço Florestal do Nordeste) existe um jardim de plantas endémicas, onde foi criado um percurso circular no qual os visitantes podem desfrutar de um passeio agradável e observar as espécies presentes na floresta Laurissilva dos Açores, tais como o Azevinho (Ilex azorica), Cedro-do-mato (Juniperus brevifolia), Louro (Laurus azorica), Tamujo (Myrsine retusa), Ginja-do-mato (Prunus azorica), Uva-da-serra (Vaccinium cylindraceum) e o Patalugo (Leontodon sp.).

* Zona Central da Reserva Natural do Pico da Vara (2005 - 2008): A ampla área de intervenção no núcleo central da Reserva Natural do Pico da Vara revela-se a zona mais importante para a conservação do Priolo e encontra-se relativamente em melhor estado de conservação. Nesta área a recuperação da floresta foi possível sem precisar de introduzir novas plantas.

* Pico Bartolomeu (2009): Área de Floresta Laurissilva de altitude que apresentava uma elevada invasão por Cletra (Clethra arborea). Esta zona pode ser acedida a partir do Parque Florestal da Cancela do Cinzeiro e do Centro Ambiental do Priolo.

* Labaçal (2010 - 2011): A zona do Labaçal, à beira da estrada da Tronqueira no concelho da Povoação, é uma área de baixa altitude que apresentava uma situação de invasão mais preocupante, com elevada densidade de espécies como o Incenso (Pittosporum undulatum).

* Malhada (2010 - 2013): Área de Floresta Laurissilva de altitude que apresentava uma elevada invasão por Cletra (Clethra arborea) e Conteira (Hedychium gardnerarum). Esta zona situa-se junto do trilho da Lomba da Fazenda - Pico da Vara.

* Mata dos Bispos (2012): A zona da Mata dos Bispos, no concelho da Povoação, é uma área de baixa altitude que apresentava uma situação de invasão mais preocupante, com elevada densidade de Incenso (Pittosporum undulatum).



< Voltar à página anterior


 

INÍCIORENOVAÇÃO CETSCETSÁREAS PROTEGIDASAÇÕES DE CONSERVAÇÃOCENTROS DE INTERPRETAÇÃOMARCA PRIOLONOTÍCIAS

©2004-2019 Presidência do Governo dos Açores
Todos os Direitos Reservados

Portal do Governo dos Açores
Governo Regional dos Açores  UE