Áreas Protegidas  |  Rede Natura 2000  |  Património Mundial UNESCO  |  Reservas da Biosfera  |  Geoparque Açores  |  RAMSAR  |  Envolvimento Internacional  |  Espécies e Habitats



Destaques
 
Parques Naturais dos Açores
 Mais »
Plano Setorial da Rede Natura 2000
 Mais »
 
Últimos conteúdos
 
Diretor Regional do Ambiente defende dis...
Parques Naturais dos Açores assinalam Di...
Vigilante da Natureza Júnior dos Açores ...
Candidaturas aos prémios “Espírito Verde...
 

São Roque do Pico 30-03-2012

BIODIVERSIDADE – FONTE DE VIDA


Area Natural

O arquipélago dos Açores, constituído por 9 ilhas e alguns ilhéus, resultado de mecanismos sísmicos e vulcânicos particulares, localiza-se em pleno Oceano Atlântico, o que lhe confere condições particularmente importantes e especiais.

Com efeito, a localização geográfica e as características geofísicas e edafoclimáticas do arquipélago, modeladas pela intervenção humana, deram origem a uma variedade de ecossistemas e paisagens que proporcionam a existência de um interessante número de habitats que albergam uma grande diversidade de espécies, incluindo endemismos (ou seja, espécies que apenas ocorrem nas ilhas dos Açores) e espécies-relíquia do ponto de vista biogeográfico e/ou genético.

A diversidade de organismos do arquipélago dos Açores é de 8047 taxa (espécies e subespécies).
Ao nível do meio terrestre e dulçaquícola existem 6164 taxa, sendo 452 endémicos.
Dos 1110 taxa de plantas vasculares existentes conhecem-se 73 endemismos.
Em relação aos Moluscos são conhecidos 114 taxa, sendo 43 endémicos. Para os vertebrados contabilizam-se cerca de 71 taxa, sendo 12 endémicos.
No entanto, são os artrópodes que constituem o grupo de organismos terrestres mais diverso, e que também se encontra disperso em todas as ilhas dos Açores, com 2298 espécies e subespécies contadas, das quais 266 endémicas.

É sabido que a biodiversidade ou diversidade biológica é particularmente importante, não só no plano ecológico mas também no plano do desenvolvimento económico e social, por o que os recursos biológicos representam em termos económicos, sociais, culturais, recreativos, estéticos, científicos e éticos. A espécie humana depende desses recursos para a sua própria sobrevivência uma vez que, além do seu valor intrínseco, a biodiversidade cria “valor” através de serviços ecossistémicos (por exemplo fornecendo alimentos e água, oferecendo uma proteção natural contra inundações e tempestades e regulando o clima), devendo por isso ser capaz de promover uma utilização sustentável, isto é, que garanta a sua perenidade.

Apesar do reconhecimento da importância fundamental da biodiversidade, inclusivamente ao nível da EU tem sido uma prioridade fundamental em matéria de ambiente, esta tem vindo a perder-se. A consciência do problema da perda e redução da biodiversidade está patente sobretudo desde as últimas décadas do século XX. Esta perda tem vindo a assumir proporções nunca antes atingidas, ao ponto de ser reconhecida a necessidade de uma ação internacional e a larga escala para a preservar. A nível mundial têm sido envidados esforços para reduzir essa perda e até a Assembleia Geral das Nações Unidas também declarou 2011-2020 como a Década das Nações Unidas para a Biodiversidade.

Como é sabido, desde os tempos de Wallace e Darwin (século XIX) que as ilhas oceânicas são reconhecidas como laboratórios biológicos. As características de isolamento dos sistemas insulares proporcionam condições evolutivas excecionais aos ecossistemas e espécies que os povoam. No entanto, este aspeto também torna-os mais frágeis e sensíveis a perturbações várias, sobretudo à invasão de espécies exóticas e às grandes alterações ambientais, nomeadamente as provocadas pelo Homem.
Sendo a singularidade dos nossos habitats e espécies, bem como a sua representatividade e estado de conservação bem patentes e reconhecidos, até ao nível internacional, importa estarmos conscientes dos valores da biodiversidade e das atitudes que podemos tomar para a conservar e usar de forma sustentável.
Como cidadãos responsáveis pelas futuras gerações, importa haver empenho e intensificação da nossa contribuição para evitar a perda de biodiversidade a nível mundial.

Autor: Maria José Bettencourt & Paulo Pimentel - DRA/DSCN

Numero de Visitantes
  742483  
Zonas
 

Açores
Corvo
Faial
Flores
Graciosa
Pico
Santa Maria
São Jorge
São Miguel
Terceira

 





 
 
 

  




 

HOMEQUEM SOMOSPROJETOS E AÇÕESCAMPANHASLEGISLAÇÃOLINKSCONTACTOSFORMULÁRIOS ONLINE

©2004-2019 Presidência do Governo dos Açores
Todos os Direitos Reservados

Portal do Governo dos Açores
Governo Regional dos Açores  UE