Direção Regional do Turismo

  

Ilha do Corvo

HISTÓRIA

Na fase de exploração portuguesa do Atlântico sabe-se que foi Diogo de Teive quem achou as ilhas do Grupo Ocidental dos Açores, no regresso da sua segunda viagem de exploração, em 1452. A Ilha do Corvo terá sido descoberta em simultâneo com a Ilha das Flores, já que as ilhas se avistam mutuamente. A sua designação henriquina é Ilha de Santa Iria, mas foi também chamada de Ilhéu das Flores, ilha da Estátua, ilha do Farol, ilha de São Tomás e ainda de Ilha do Marco, tendo este nome persistido durante alguns séculos, em razão de para alguns o monte do Caldeirão servir como uma referência geográfica para os marinheiros ou, e mais provavelmente, pelo facto de existir um pequeno promontório a que foi dado o nome de Ponta do Marco, local onde possivelmente terá sido afixado algum padrão como era hábito fazer-se nas novas terras descobertas.
Apesar da incerteza quanto à data do achamento português da ilha, é seguramente anterior a 20 de Janeiro de 1453, data em que o rei D. Afonso V de Portugal faz doação da ilha, e da vizinha ilha das Flores, a seu tio D. Afonso de Portugal, duque de Barcelos.
Após várias tentativas falhadas de povoamento iniciadas na década de 1510, a 12 de Novembro de 1548 Gonçalo de Sousa, 2.º capitão donatário das ilhas das Flores e do Corvo, é autorizado a mandar para ilha escravos (mulatos, provavelmente oriundos da ilha de Santo Antão, arquipélago de Cabo Verde) de sua confiança, como agricultores e criadores de gado.

O príncipe Regente D. Pedro IV, em 20 de Junho de 1832, elevou a povoação do Corvo a categoria de vila e sede de concelho. O decreto manda que a nova vila se chame Vila do Corvo, e não Vila Nova como por vezes aparece escrito. Antes disso esteve sob jurisdição de Santa Cruz das Flores, sendo uma das freguesias daquele concelho. Atualmente o dia 20 de Junho é feriado municipal.
A partir do início do século XIX assiste-se ao crescimento constante da emigração para os Estados Unidos da América e Canadá, com interregno entre 1925 e 1955, num processo que se prolongou até meados da década de 1980.
Com a inauguração do tráfego aéreo comercial no Aeroporto da Ilha das Flores, em 27 de Abril de 1972, os corvinos começaram a sentir-se menos isolados do resto do mundo.
Em 28 de Setembro de 1983, foi inaugurado o Aeródromo do Corvo, (código IATA: CVU) com uma pista de 800 metros. De início, as ligações aéreas entre o Corvo e a Terceira (Lajes) eram asseguradas por um avião C-212 Aviocar da Força Aérea Portuguesa. Em 1991, é substituído pelo pequeno avião Dornier 228-212 da SATA Air Açores, fazendo as ligações com Santa Cruz das Flores, Horta e Terceira (Lajes).

GEOGRAFIA

Ilha de forma oval, com a área de 17,13 km2, tendo de comprimento 6,5 km e de largura 4km, é a mais pequena ilha do Arquipélago dos Açores. Constituída pelo afloramento de um cone vulcânico tem a altitude máxima de 718 metros. Está situada a 31º 05’ de longitude oeste e 39º 40’ de latitude norte.  

GASTRONOMIA

Caldeirada de Peixe
Queijo

FESTIVIDADES

FESTA DE NOSSA SENHORA DOS MILAGRES

Festa em homenagem à Padroeira da Ilha, aproveitada por cerca de quatrocentos "convidados" (mais do que a população da própria ilha) para apreciarem as belezas e a quietude de viver naquela que é a parcela mais Ocidental do território Europeu.
Altura para apresentação da Filarmónicas local e realização de diversos concertos musicais destinados aos mais e menos jovens.

Localização: Vila Nova
Data: 15 de Agosto
Entidade responsável: Comissão de festas

FESTA DO ESPÍRITO SANTO

São festas comuns a todas as ilhas, embora divergindo em alguns pormenores de ilha para ilha e até dentro da própria ilha. Á volta de cada ilha todas as freguesias têm uma capela, chamada "Império", com a respectiva irmandade. São consideradas as festas religiosas mais características de toda a etnologia insular.

Localização: Todo o Arquipélago
Data: De Maio a Setembro, com especial ênfase no 7º domingo depois da Páscoa
Entidade responsável: Irmandades dos Espírito Santo

LOCAIS A VISITAR

CALDEIRÃO
Situa-se no Monte Grosso e caracteriza-se por ser uma cratera de um antigo vulcão que deu origem á ilha com 300m de profundidade e 2.400m de perímetro. No fundo encontram-se 2 lagoas de onde emergem pequenas ilhotas que muitos associam com o arquipélago.

Empreendimentos
&
Atividades

Conheça a lista de empreendimentos e atividades disponíveis para consulta

Selecione a(s) atividade(s)

Ver listagem

Legenda de Atividades
T01 PASSEIOS EM VEÍCULOS TODO O TERRENO E OUTROS VEÍCULOS AUTOMÓVEIS
T02 PASSEIOS EM BTT MOTO 4 E OUTROS
T03 PASSEIOS EM SEGWAY, SCOOTERS
T04 KARTING
T05 TERMAS, SPA
T06 GOLFE
T07 PARQUES TEMÁTICOS
T08 CENTROS EQUESTRES E HIPÓDROMOS
T09 PASSEIOS A CAVALO OU EM BURRO, PASSEIOS EM CHARRETTE
T10 PASSEIOS EM PERCURSOS PEDESTRES E INTERPRETATIVOS, OBSERVAÇÃO DE FAUNA E FLORA
T11 ESPELEOLOGIA, ALPINISMO, MONTANHISMO
T12 RAPPEL, SLIDE, BUGGY JUMP, CANYONING
T13 PASSEIOS EM AERONAVES (ATÉ 6 PESSOAS)
T14 BALONISMO, PARAPENTE, ASA DELTA
T15 ANIMAÇÃO AMBIENTAL “TURISMO DE NATUREZA”
T16 INSTALAÇÕES PARA CONGRESSOS, SEMINÁRIOS, COLÓQUIOS E CONFERÊNCIAS
T17 ORGANIZAÇÃO DE VISITAS A MUSEUS, MONUMENTOS HISTÓRICOS E OUTROS LOCAIS DE RELEVANTE INTERESSE TURÍSTICO
T18 ORGANIZAÇÃO DE CONGRESSOS E EVENTOS DE VÁRIA NATUREZA
T19 ATIVIDADES DE GINÁSIO
T20 OUTRAS ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA
M01 ALUGUER DE EMBARCAÇÕES A MOTOR COM/SEM TRIPULAÇÃO
M02 ALUGUER DE EMBARCAÇÕES À VELA COM/SEM TRIPULAÇÃO
M03 PASSEIOS TURÍSTICOS (VELA/MOTOR), TAXI MARÍTIMO
M04 CANOAGEM, WINDSURF, ALUGUER DE PEQUENAS EMBARCAÇÕES
M05 MERGULHO, ESCAFANDRISMO
M06 CENTRO DE MERGULHO
M07 ESCOLA DE MERGULHO
M08 ESTAÇÃO DE ENCHIMENTO
M09 ALUGUER DE EQUIPAMENTO DE MERGULHO
M10 PESCA TURÍSTICA E DESPORTIVA
M11 OBSERVAÇÃO DE CETÁCEOS
M12 ATIVIDADES EM MARINAS, PORTOS DE RECREIO
M13 PESCA-TURISMO