Direção Regional do Turismo

  

Ilha de São Jorge

HISTÓRIA

O descobrimento e povoamento da ilha estão envoltos em mistério. A primeira referência a São Jorge data de 1439 e sabe-se que, cerca de 1470, quando já existiam núcleos de colonos nas costas oeste e sul e a povoação de Velas fora fundada, veio para a ilha o nobre flamengo Wilhelm Van der Haegen, que, no Topo, criou uma povoação onde veio a morrer, com fama de grandes virtudes, já com o seu nome traduzido para Guilherme da Silveira. Rápido deve ter sido o povoamento da ilha, com gentes vindas do Norte do continente, bem como a sua prosperidade, pois a sua capitania era doada, em 1483, a João Vaz Corte Real, donatário de Angra, na Terceira, e Velas recebia foral de vila antes do final do séc. XV. Topo era sede de concelho em 1510 e Calheta em 1534, demonstrando a vitalidade de uma economia que, além da vinha e do trigo, tinha no cultivo do pastel e na colheita da urzela, exportados para a Flandres e outros países da Europa, e usados na tinturaria, as suas principais produções. A crise dinástica provocada pela subida ao trono de Portugal do rei Filipe II de Espanha teve os seus reflexos em São Jorge, que, como a ilha Terceira, tomou o partido do pretendente D. António, Prior do Crato, só vindo a capitular frente aos espanhóis após a queda da Terceira, em 1583. Segue-se um período de séculos em que a ilha se mantém quase isolada, o que se deve atribuir ao abrigo precário que os seus portos ofereciam aos navios, à sua limitada importância económica Mesmo assim é sujeita a ataques de corsários ingleses e franceses durante os séc. XVI e XVII e às devastadoras razias dos piratas turcos e argelinos. No final do séc. XVI, uma secção da esquadra sob o comando do conde Essex desembarca na enseada da Calheta. Para a repelir os habitantes arremessam pesadas pedras - únicas armas de que dispunham - e um soldado chamado Simão Gato acomete o oficial da força inimiga, derruba-o e arranca-lhe a bandeira. No séc. XVIII, o corsário francês Du-Gnay-Trouin pilha São Jorge e, no ano de 1816, um corsário argelino que procurava apoderar-se de um navio mercante, é rechaçado pelos tiros da fortaleza da Calheta. Outras calamidades afligem São Jorge. São as privações e crises de alimentos em maus anos de colheita, desde o séc. XVI ao séc. XIX, os sismos e erupções vulcânicas de 1580, 1757 e 1808. O isolamento do passado tem vindo a ser quebrado com as obras realizadas nos dois principais portos - Velas e Calheta - e o aeroporto, abrindo a São Jorge novos horizontes de prosperidade e progresso, para o que conta com a integral utilização dos seus recursos naturais, a expansão da pecuária e dos lacticínios, da pesca e da indústria de conservas.

 

GEOGRAFIA

Ilha alongada que com 56 Km de comprimento apenas 8 Km de largura máxima. São Jorge tem uma área de 246 Km2. Criada por sucessivas erupções vulcânicas em linha recta, de que restam crateras, a sua plataforma ventral tem a altitude média de 700 m, com o ponto mais elevado a 1067m. A costa, escarpada e quase vertical, sobretudo a norte, é interrompida por pequenas superfícies planas costeiras – as fajãs. Está situada a 28º 33’ de longitude oeste e a 38º 24’ de latitude norte.  

 

GASTRONOMIA

Queijo
Espécies
Torresmos de porco
Molha de carne
Caldeirada de congro
Inhames com linguiça
Bolo de véspera
Rosquilhas 
Aguardente de nêspera e angelica

 

FESTIVIDADES

FESTA DO ESPÍRITO SANTO

São festas comuns a todas as ilhas, embora divergindo em alguns pormenores de ilha para ilha e até dentro da própria ilha. Á volta de cada ilha todas as freguesias têm uma capela, chamada "Império", com a respectiva irmandade. São consideradas as festas religiosas mais características de toda a etnologia insular.

Localização: Todo o arquipélago
Datas: De Maio a Setembro, com especial ênfase no 7º domingo depois da Páscoa
Entidade responsável: Irmandades dos Espírito Santo

FESTIVAL DE JULHO

Durante quatro dias a Calheta anima-se com desfiles etnográficos, concertos de música popular, provas desportivas, exposições, entre outras atividades.

Localização: Calheta
Datas: Segunda quinzena de Julho
Entidade Responsável: Comissão de Festas

SEMANA CULTURAL

Festa de carácter popular que anima na 1ª semana de Julho os dias da população do concelho, com múltiplas atividades, tais como: música popular, desportos, regatas, gastronomia regional e muito mais.

Localização: Velas
Datas: 2 a 8 de Julho
Entidade responsável: Comissão de festas

 

LOCAIS A VISITAR

FAJÃS
Locais de rara beleza, que em virtude do seu microclima se tornaram em locais férteis, estendem-se pelos dois lados da ilha. De salientar a Fajã da Caldeira de Santo Cristo na Ribeira Seca com uma gruta submarina e uma lagoa onde se criam amêijoas.

Empreendimentos
&
Atividades

Conheça a lista de empreendimentos e atividades disponíveis para consulta

Selecione a(s) atividade(s)

Ver listagem

Legenda de Atividades
T01 PASSEIOS EM VEÍCULOS TODO O TERRENO E OUTROS VEÍCULOS AUTOMÓVEIS
T02 PASSEIOS EM BTT MOTO 4 E OUTROS
T03 PASSEIOS EM SEGWAY, SCOOTERS
T04 KARTING
T05 TERMAS, SPA
T06 GOLFE
T07 PARQUES TEMÁTICOS
T08 CENTROS EQUESTRES E HIPÓDROMOS
T09 PASSEIOS A CAVALO OU EM BURRO, PASSEIOS EM CHARRETTE
T10 PASSEIOS EM PERCURSOS PEDESTRES E INTERPRETATIVOS, OBSERVAÇÃO DE FAUNA E FLORA
T11 ESPELEOLOGIA, ALPINISMO, MONTANHISMO
T12 RAPPEL, SLIDE, BUGGY JUMP, CANYONING
T13 PASSEIOS EM AERONAVES (ATÉ 6 PESSOAS)
T14 BALONISMO, PARAPENTE, ASA DELTA
T15 ANIMAÇÃO AMBIENTAL “TURISMO DE NATUREZA”
T16 INSTALAÇÕES PARA CONGRESSOS, SEMINÁRIOS, COLÓQUIOS E CONFERÊNCIAS
T17 ORGANIZAÇÃO DE VISITAS A MUSEUS, MONUMENTOS HISTÓRICOS E OUTROS LOCAIS DE RELEVANTE INTERESSE TURÍSTICO
T18 ORGANIZAÇÃO DE CONGRESSOS E EVENTOS DE VÁRIA NATUREZA
T19 ATIVIDADES DE GINÁSIO
T20 OUTRAS ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA
M01 ALUGUER DE EMBARCAÇÕES A MOTOR COM/SEM TRIPULAÇÃO
M02 ALUGUER DE EMBARCAÇÕES À VELA COM/SEM TRIPULAÇÃO
M03 PASSEIOS TURÍSTICOS (VELA/MOTOR), TAXI MARÍTIMO
M04 CANOAGEM, WINDSURF, ALUGUER DE PEQUENAS EMBARCAÇÕES
M05 MERGULHO, ESCAFANDRISMO
M06 CENTRO DE MERGULHO
M07 ESCOLA DE MERGULHO
M08 ESTAÇÃO DE ENCHIMENTO
M09 ALUGUER DE EQUIPAMENTO DE MERGULHO
M10 PESCA TURÍSTICA E DESPORTIVA
M11 OBSERVAÇÃO DE CETÁCEOS
M12 ATIVIDADES EM MARINAS, PORTOS DE RECREIO
M13 PESCA-TURISMO