Páginal inicial
Listas de Quadros, Gráficos, Figuras, Fluxogramas e Anexos
Índice Listas Siglas 1. Introdução 2. Orientações 3. Cenários 4. Comando 5. Informação 6. Saúde Pública 7. Ambulatório 8. Internamento 9. Laboratório 10. Medicamentos 11. Comunicação Anexo A Anexo B
Plano de Contingencia dos Açores para a Pandemia da Gripe
   
Lista de Quadros
Quadro 1 Períodos e fases de actividade gripal
Quadro 2 Cadeia de Comando e Controlo do sector da saúde
Quadro 3 Equipamento de Protecção Individual
Quadro 4 Quantidade de fosfato de oseltamivir, em cápsulas, para as Ilhas G1
Quadro 5 Quantidade de fosfato de oseltamivir, em cápsulas, para as Ilhas G2
Quadro 6 Quantidade de fosfato de oseltamivir, em cápsulas, para as Ilhas G3
Quadro 7 Números de tratamentos ou esquemas profiláticos, com base na quantidade de oseltamivir (fórmula pandémica), atribuídos aos Açores

Lista dos Gráficos
Gráfico 1 Primeira onda (taxa de ataque de 10%) por grupo etário. Distribuição do número de casos, consultas, hospitalizações e óbitos associados à gripe, segundo o nível de impacto provável
Gráfico 2 Segunda onda (taxa de ataque de 20%) por grupo etário. Distribuição do número de casos, consultas, hospitalizações e óbitos associados à gripe, segundo o nível de impacto provável
Gráfico 3 Segunda onda (taxa de ataque de 25%) por grupo etário. Distribuição do número de casos, consultas, hospitalizações e óbitos associados à gripe, segundo o nível de impacto provável
Gráfico 4 Segunda onda (taxa de ataque de 30%) por grupo etário. Distribuição do número de casos, consultas, hospitalizações e óbitos associados à gripe, segundo o nível de impacto provável
Gráfico 5 Taxas totais de ataque (30%, 35% e 40%). Distribuição do número de casos, consultas, hospitalizações e óbitos associados à gripe, segundo o nível de impacto provável
Gráfico 6 Primeira onda (taxa de ataque de 10%) por semana. Distribuição do número de casos, consultas, hospitalizações e óbitos associados à gripe, segundo o nível de impacto provável
Gráfico 7 Segunda onda (taxa de ataque de 20%) por semana. Distribuição do número de casos, consultas, hospitalizações e óbitos associados à gripe, segundo o nível de impacto provável, sem oseltamivir
Gráfico 8 Segunda onda (taxa de ataque de 25%) por semana. Distribuição do número de casos, consultas, hospitalizações e óbitos associados à gripe, segundo o nível de impacto provável, sem oseltamivir
Gráfico 9 Segunda onda (taxa de ataque de 30%) por semana. Distribuição do número de casos, consultas, hospitalizações e óbitos associados à gripe, segundo o nível de impacto provável, sem oseltamivir

Lista de Figuras
Figura 1 Estruturas para a elaboração e execução do Plano de Contingência dos Açores, ao nível Regional, de Ilha e de Instituição de Saúde

Lista de Fluxogramas
Fluxograma 1 Triagem e referenciação de caso suspeito.
Fluxograma 2 Referenciação de casos possíveis para as Unidades de Saúde de Ilha, Centros de Saúde e Hospitais de Referência

Lista do Anexo A
Quadro A1 Primeira onda: taxa de ataque de 10%. Distribuição por grupo etário, do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo três níveis de impacto (mínimo, provável e máximo), nos Açores
Quadro A2 Segunda onda: taxas de ataque de 20%, 25% e 30%. Distribuição por grupo etário, do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo três níveis de impacto (mínimo, provável e máximo), nos Açores
Quadro A3 Taxas totais de ataque: 30%, 35% e 40%. Distribuição do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo três níveis de impacto (mínimo, provável e máximo), nos Açores
Quadro A4 Primeira onda: taxa de ataque de 10%. Distribuição semanal, do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo dois níveis de impacto (provável e máximo), sem oseltamivir, nos Açores
Quadro A5 Segunda onda: taxas de ataque de 20%, 25% e 30%. Distribuição semanal, do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo dois níveis de impacto (provável e máximo), sem oseltamivir, nos Açores
Quadro A6 Primeira onda: taxa de ataque de 10%. Distribuição por grupo etário, do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo três níveis de impacto (mínimo, provável e máximo), na Ilha de Santa Maria
Quadro A7 Segunda onda: taxas de ataque de 20%, 25% e 30%. Distribuição por grupo etário, do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo três níveis de impacto (mínimo, provável e máximo), na Ilha de Santa Maria
Quadro A8 Taxas totais de ataque: 30%, 35% e 40%. Distribuição do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo três níveis de impacto (mínimo, provável e máximo), na Ilha de Santa Maria
Quadro A9 Primeira onda: taxa de ataque de 10%. Distribuição semanal, do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo dois níveis de impacto (provável e máximo), sem oseltamivir, na Ilha de Santa Maria
Quadro A10 Segunda onda: taxas de ataque de 20%, 25% e 30%. Distribuição semanal, do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo dois níveis de impacto (provável e máximo), sem oseltamivir, na Ilha de Santa Maria.
Quadro A11 Primeira onda: taxa de ataque de 10%. Distribuição por grupo etário, do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo três níveis de impacto (mínimo, provável e máximo), na Ilha de São Miguel.
Quadro A12 Segunda onda: taxas de ataque de 20%, 25% e 30%. Distribuição por grupo etário, do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo três níveis de impacto (mínimo, provável e máximo), na Ilha de São Miguel.
Quadro A13 Taxas totais de ataque: 30%, 35% e 40%. Distribuição do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo três níveis de impacto (mínimo, provável e máximo), na Ilha de São Miguel.
Quadro A14 Primeira onda: taxa de ataque de 10%. Distribuição semanal, do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo dois níveis de impacto (provável e máximo), sem oseltamivir, na Ilha de São Miguel.
Quadro A15 Segunda onda: taxas de ataque de 20%, 25% e 30%. Distribuição semanal, do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo dois níveis de impacto (provável e máximo), sem oseltamivir, na Ilha de São Miguel.
Quadro A16 Primeira onda: taxa de ataque de 10%. Distribuição por grupo etário, do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo três níveis de impacto (mínimo, provável e máximo), na Ilha Terceira.
Quadro A17 Segunda onda: taxas de ataque de 20%, 25% e 30%. Distribuição por grupo etário, do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo três níveis de impacto (mínimo, provável e máximo), na Ilha Terceira.
Quadro A18 Taxas totais de ataque: 30%, 35% e 40%. Distribuição do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo três níveis de impacto (mínimo, provável e máximo), na Ilha Terceira.
Quadro A19 Primeira onda: taxa de ataque de 10%. Distribuição semanal do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo dois níveis de impacto (provável e máximo), sem oseltamivir, na Ilha Terceira.
Quadro A20 Segunda onda: taxas de ataque de 20%, 25% e 30%. Distribuição semanal do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo dois níveis de impacto (provável e máximo), sem oseltamivir, na Ilha Terceira.
Quadro A21 Primeira onda: taxa de ataque de 10%. Distribuição por grupo etário, do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo três níveis de impacto (mínimo, provável e máximo), na Ilha Graciosa.
Quadro A22 Segunda onda: taxas de ataque de 20%, 25% e 30%. Distribuição por grupo etário, do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo três níveis de impacto (mínimo, provável e máximo), na Ilha Graciosa.
Quadro A23 Taxas totais de ataque: 30%, 35% e 40%. Distribuição do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo três níveis de impacto (mínimo, provável e máximo), na Ilha Graciosa.
Quadro A24 Primeira onda: taxa de ataque de 10%. Distribuição semanal, do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo dois níveis de impacto (provável e máximo), sem oseltamivir, na Ilha Graciosa.
Quadro A25 Segunda onda: taxas de ataque de 20%, 25% e 30%. Distribuição semanal, do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo dois níveis de impacto (provável e máximo), sem oseltamivir, na Ilha Graciosa.
Quadro A26 Primeira onda: taxa de ataque de 10%. Distribuição por grupo etário, do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo três níveis de impacto (mínimo, provável e máximo), na Ilha de São Jorge.
Quadro A27 Segunda onda: taxas de ataque de 20%, 25% e 30%. Distribuição por grupo etário, do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo três níveis de impacto (mínimo, provável e máximo), na Ilha de São Jorge.
Quadro A28 Taxas totais de ataque: 30%, 35% e 40%. Distribuição do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo três níveis de impacto (mínimo, provável e máximo), na Ilha de São Jorge.
Quadro A29 Primeira onda: taxa de ataque de 10%. Distribuição semanal, do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo dois níveis de impacto (provável e máximo), sem oseltamivir, na Ilha de São Jorge.
Quadro A30 Segunda onda: taxas de ataque de 20%, 25% e 30%. Distribuição semanal, do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo dois níveis de impacto (provável e máximo), sem oseltamivir, na Ilha de São Jorge.
Quadro A31 Primeira onda: taxa de ataque de 10%. Distribuição por grupo etário, do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo três níveis de impacto (mínimo, provável e máximo), na Ilha do Pico.
Quadro A32 Segunda onda: taxas de ataque de 20%, 25% e 30%. Distribuição por grupo etário, do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo três níveis de impacto (mínimo, provável e máximo), na Ilha do Pico.
Quadro A33 Taxas totais de ataque: 30%, 35% e 40%. Distribuição do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo três níveis de impacto (mínimo, provável e máximo), na Ilha do Pico.
Quadro A34 Primeira onda: taxa de ataque de 10%. Distribuição semanal do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo dois níveis de impacto (provável e máximo), sem oseltamivir, na Ilha do Pico.
Quadro A35 Segunda onda: taxas de ataque de 20%, 25% e 30%. Distribuição semanal do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo dois níveis de impacto (provável e máximo), sem oseltamivir, na Ilha do Pico.
Quadro A36 Primeira onda: taxa de ataque de 10%. Distribuição por grupo etário do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo três níveis de impacto (mínimo, provável e máximo), na Ilha do Faial.
Quadro A37 Segunda onda: taxas de ataque de 20%, 25% e 30%. Distribuição por grupo etário do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo três níveis de impacto (mínimo, provável e máximo), na Ilha do Faial.
Quadro A38 Taxas totais de ataque: 30%, 35% e 40%. Distribuição do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo três níveis de impacto (mínimo, provável e máximo), na Ilha do Faial.
Quadro A39 Primeira onda: taxa de ataque de 10%. Distribuição semanal do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo dois níveis de impacto (provável e máximo), sem oseltamivir, na Ilha do Faial.
Quadro A40 Segunda onda: taxas de ataque de 20%, 25% e 30%. Distribuição semanal do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo dois níveis de impacto (provável e máximo), sem oseltamivir, na Ilha do Faial.
Quadro A41 Primeira onda: taxa de ataque de 10%. Distribuição por grupo etário do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo três níveis de impacto (mínimo, provável e máximo), nas Ilhas Flores e Corvo.
Quadro A42 Segunda onda: taxa de ataque de 20%, 25% e 30%. Distribuição por grupo etário do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo três níveis de impacto (mínimo, provável e máximo), nas Ilha Flores e Corvo.
Quadro A43 Taxas totais de ataque: 30%, 35% e 40%. Distribuição do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo três níveis de impacto (mínimo, provável e máximo), nas Ilhas Flores e Corvo.
Quadro A44 Primeira onda: taxa de ataque de 10%. Distribuição semanal do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo dois níveis de impacto (provável e máximo), sem oseltamivir, nas Ilhas Flores e Corvo.
Quadro A45 Segunda onda: taxas de ataque de 20%, 25% e 30%. Distribuição semanal do número de casos de gripe, consultas, hospitalizações e óbitos, segundo dois níveis de impacto (provável e máximo), sem oseltamivir, nas Ilhas Flores e Corvo.

Lista do Anexo B
Lista de verificação B1 Área de Planeamento e Coordenação
Lista de verificação B2 Área da Comunicação
Lista de verificação B3 Área de Prevenção, Contenção e Controlo
© Direcção Regional da Saúde 2008 Voltar ao topo