Páginal inicial
11. Comunicação
Índice Listas Siglas 1. Introdução 2. Orientações 3. Cenários 4. Comando 5. Informação 6. Saúde Pública 7. Ambulatório 8. Internamento 9. Laboratório 10. Medicamentos 11. Comunicação Anexo A Anexo B
Plano de Contingencia dos Açores para a Pandemia da Gripe
   

A Pandemia de Gripe é um assunto que provoca alguma preocupação na opinião pública e que suscita um forte interesse nos Órgãos de Comunicação Social (OCS).

Tal como é referido no PCN “o meio mais eficaz de gerir questões sensíveis, relacionadas com a Saúde Pública, é abordar os problemas, as ameaças de uma forma directa e transparente.

Um meio de contribuir para que a comunicação “e a percepção do público sejam adequados passa pela disponibilização atempada de informação ao público, (com inicio num período anterior à crise, fases 3, 4 e 5 de actividade gripal, e mantendo-se no período pandémico, fase 6) evitando, deste modo, a criação de um vazio comunicacional, que poderá dar azo a rumores, desinformação e especulação”.

A comunicação revela-se, deste modo, uma ferramenta imprescindível na gestão da ameaça e da crise.

Com este plano específico pretende-se estabelecer uma estratégia de comunicação que permita informar, em tempo útil, de forma clara e transparente, os profissionais de saúde e a população em geral, através dos OCS.

A criação de um Gabinete de Comunicação de Ameaça e de Crise constitui, por isso, um instrumento fundamental para a definição, a nível regional, de um plano de comunicação.

11.1. Gabinete de Comunicação de Ameaça e de Crise – principais funções

Este gabinete deverá ser composto por um médico de Saúde Pública, um especialista em comunicação para a saúde e um jornalista, assumindo esta estrutura uma forte componente técnico-científica.

As principais funções deste gabinete são preparar, elaborar e gerir a informação a divulgar pelos profissionais de saúde e OCS.

  • Instituições Saúde/Profissionais de Saúde
    • Preparar, elaborar e gerir a informação a divulgar pelos profissionais de saúde dos Unidades de Saúde de Ilha, Hospitais e Centros de Saúde.
    • Promover e assegurar formação aos profissionais de saúde,
    • Divulgar orientações técnicas da DGS,
    • Divulgar orientações técnicas específicas da Região (DRS),
    • Assegurar apoio às Instituições de Saúde,
    • Estabelecer, coordenar e garantir circuitos de comunicação com as Instituições de Saúde e respectivos profissionais,
    • Assegurar a troca de informação entre Instituições de Saúde e os profissionais de saúde,
    • Solicitar a outros profissionais assessoria técnico-científica, no sentido de complementar e consolidar o plano de comunicação com os profissionais de saúde.

  • Órgãos de Comunicação Social
    • Promover acções de sensibilização e formação para profissionais da comunicação social,
    • Avaliar e definir o tempo oportuno para a divulgação de campanhas,
    • Criar estratégias de informação e comunicação para educar e capacitar os diferentes públicos alvo, através dos OCS, de modo a que fiquem preparados para adoptar os procedimentos adequados em caso de pandemia,
    • Disponibilizar informação sobre a situação, propagação do vírus e riscos,
    • Prestar informação de risco e prevenção (risco de infecção, segurança sanitária dos alimentos, manipulação de animais, etc.).

Este gabinete deverá, no que diz respeito à divulgação de material informativo pelos OCS, articular-se com o Gabinete de Apoio à Comunicação Social (GACS), tutelado pela Presidência do Governo.

A criação de um Gabinete de Comunicação de Ameaça e de Crise apresenta, igualmente, potencialidades para a gestão de outras situações de crise (crises sísmicas, catástrofes naturais…) que poderão ocorrer nos Açores.

Um gabinete desta natureza pode, ainda, e em situações de ausência de crise, potenciar, o papel das Instituições de Saúde na promoção da saúde, preparando e divulgando orientações, articulando procedimentos e estratégias, e promovendo campanhas de sensibilização e informação dirigidas à população.

11.2. Relacionamento com os Órgãos de Comunicação Social

A relação entre profissionais de saúde e jornalistas gera por vezes alguma complexidade. Os média exercem sobre os profissionais de saúde e respectiva tutela uma intensa pressão devido à escassez de tempo para divulgar a notícia e pela necessidade de transformar em palavras simples mensagens que podem ser de difícil compreensão.

Os jornalistas e os profissionais de saúde falam uma linguagem diferente, que poderá impedir um diálogo eficaz. Têm de facto objectivos em comum, como seja passar a mensagem, mas o controlo pela informação, exercido por ambas as partes, pode originar conflitos de interesse.

  • Princípios
    • A comunicação terá de ser fácil, usando linguagem acessível e socialmente aceite;
    • A resposta ou esclarecimento às solicitações dos OCS, sobretudo em situações de desinformação ou rumores, deverá ser célere, transparente e consistente de modo a evitar especulações – a ausência de informação promove a especulação que por sua vez poderá fomentar o medo e o pânico;
    • A relação com os OCS deverá ser estabelecida com frontalidade e transparência não só para evitar especulações mas para criar, também, uma relação de confiança e de credibilidade juntos dos profissionais da comunicação social e da população que recebe a mensagem/informação – confiança e credibilidade são valores facilmente destruídos por uma mensagem que não é coerente nem consistente. Percepções erradas da situação por parte do público podem, igualmente, originar o medo e o pânico;
    • A mensagem terá de ser simples, directa e explicada com medidas e exemplos fáceis, de modo a ser compreendida pela maioria das pessoas – uma comunicação complexa e imprecisa gera desconfiança;
    • A comunicação terá de ser eficaz, para tal, será necessário conhecer a população a quem se dirige a mensagem;
    • A comunicação aos OCS deverá ser feita sempre pelos porta-vozes a definir, para que o seu conteúdo seja uniforme e coerente, não se dispersando pelo discurso de vários profissionais.

11.3. Porta-Voz

Preconiza-se a criação de dois porta-vozes, um para informação de carácter institucional, outro para informação técnico-científica.

  • Formas de Relacionamento/Metodologia
    • Entrevistas,
    • Comunicado de imprensa – privilegiar este modelo para garantir informação aos noticiários transmitidos de manhã, devendo a sua distribuição ocorrer, preferencialmente, antes das 8H00,
    • Conferencia de imprensa,
    • Briefing – será indispensável nas fases 5 e 6, quando houver necessidade de actualizar informação. Sugere-se que sejam feitos dois por dia e programados, de modo a não coincidir com as horas dos principais noticiários, para que os jornalistas possam trabalhar a notícia. Mantendo-se o actual horário dos principais noticiários (12H00, 13H00, 18H00 e 20H00), deverá ser disponibilizada informação aos OCS às 11H00 e às 17H00,
    • Mensagens (spots informativos para rádio e televisão) com informação útil ou de carácter imperativo (por exemplo: o que fazer, para onde dirigir-se, indicação do número de telefone através do qual seja possível tirar dúvidas, se deve ou não sair de casa, etc.),
    • Campanhas específicas para crianças/escolas sobre atitudes e comportamentos adequados,
    • Reuniões de sensibilização com directores e editores (fases 3, 4 e 5) apelando à sua colaboração,
    • Acções de formação com jornalistas – “Os OCS podem ser parceiros importantes na divulgação de mensagens. Um bom jornalismo permite a tradução de questões técnicas e complexas em linguagem de fácil compreensão. No entanto, os OCS poderão induzir e potenciar a ansiedade do público e desproporcionar a percepção da ameaça. A cobertura jornalística desadequada tende a ser tanto mais frequente quanto mais limitada for a informação divulgada pelas autoridades competentes. É importante dar apoio aos profissionais dos OCS para melhorar o rigor científico na abordagem do tema.

Será importante acompanhar os OCS para minimizar a divulgação de notícias pouco precisas, uma vez que os jornalistas nem sempre se manifestam satisfeitos com a informação institucional divulgada e pretendem construir a sua própria notícia com recurso a outras fontes. Será também necessário seguir o trabalho realizado pelos colaboradores/correspondentes dos OCS, existentes em praticamente todas as ilhas, que por norma procuram informações e testemunhos locais, transmitindo diferentes perspectivas.

© Direcção Regional da Saúde 2008 Voltar ao topo