Páginal inicial
1. Introdução
Índice Listas Siglas 1. Introdução 2. Orientações 3. Cenários 4. Comando 5. Informação 6. Saúde Pública 7. Ambulatório 8. Internamento 9. Laboratório 10. Medicamentos 11. Comunicação Anexo A Anexo B
Plano de Contingencia dos Açores para a Pandemia da Gripe
   

As pandemias de gripe, perante as quais a população é vulnerável, resultam do aparecimento de novas estirpes do vírus Influenza, podendo evoluir por ondas, cada uma com a duração de 8 a 12 semanas. A gripe comum, sazonal, ocorre com uma periodicidade regular, sendo possível prever a estirpe predominante e efectuar a vacinação prévia da população. Pelo contrário, a gripe pandémica pode surgir em qualquer momento, sendo causada por um novo vírus, não permitindo a preparação atempada de vacinas. Por esta razão, urge preparar estratégias de resposta à gripe humana de origem aviária [vírus da gripe A(H5N1)].

O Plano de Contingência dos Açores para a Pandemia da Gripe, Sector da Saúde Humana 1, designado doravante por Plano de Contingência dos Açores (PCA), de cariz estratégico e operacional, tem por finalidade capacitar as ilhas e instituições para a detecção e resposta a uma provável pandemia. Pretende-se, de forma eficaz, atrasar a progressão da doença e permitir o seu melhor controlo, enquanto se aguarda a possibilidade de vacinação com uma nova vacina. Este Plano constitui igualmente uma oportunidade para preparar a Região Autónoma dos Açores (RAA) contra outras doenças emergentes ou com tendência epidémica.

O PCA está organizado segundo as seguintes áreas funcionais:

  • informação em saúde
  • medidas de saúde pública (estratégia não farmacológica)
  • cuidados de saúde no ambulatório
  • cuidados de saúde no internamento
  • área laboratorial
  • medicamentos e vacinas
  • comunicação

As áreas funcionais vocacionadas para as medidas de saúde pública e prestação de cuidados de saúde dizem respeito às respostas, por parte das Instituições de Saúde, para prevenir a doença provocada pelo vírus, bem como reduzir a gravidade e mortalidade associadas à gripe. As áreas de informação e comunicação dizem respeito às acções de suporte transversais, sem as quais a preparação daquelas respostas não é possível. A área laboratorial visa monitorizar a gripe, realizando a tipagem e subtipagem do vírus Influenza.

A descontinuidade geográfica e a desproporcionalidade demográfica da RAA requereram e requerem uma atenção especial nos aspectos relacionados com a liderança, organização e coordenação de situações de crise, por exemplo, uma pandemia de gripe. Por este motivo, torna-se necessário definir a cadeia de comando e envolver as instituições regionais ligadas à saúde na elaboração dos seus próprios planos de contingência para a pandemia de gripe. De salientar que são os elementos destas instituições e outros especialistas, a designar, que integrarão o “Gabinete de Crise”, quando for declarada a pandemia.

Sempre que as medidas enunciadas neste Plano carecerem de protocolos para a sua aplicação, estes terão como referência as orientações técnicas já publicadas ou que venham a ser publicadas e/ou actualizadas, de acordo com a evolução epidemiológica da gripe e de novos conhecimentos técnico-científicos. Na ausência de orientações técnicas por parte da DRS, serão aplicadas as orientações emitidas pela Direcção-Geral da Saúde (DGS).

Apesar de não ser possível determinar quando irá ocorrer a próxima pandemia de gripe, é fundamental o planeamento de medidas de intervenção para fazer face às suas potenciais consequências. Numa perspectiva de apoio ao planeamento, o Observatório Nacional de Saúde (ONSA) elaborou cenários pandémicos por ilha (Anexo A), considerando as populações respectivas (Censos de 2001). Estes cenários reportam as seguintes variáveis: recursos de saúde, morbilidade e mortalidade. Os resultados obtidos não constituem previsões, apenas servem de base para o processo de planeamento, devendo ser interpretados de uma forma muito cautelosa.

.........................................
1. O Plano de Contingência dos Açores teve como referência o Plano de Contingência Nacional (PCN) do Sector da Saúde para a Pandemia de Gripe, o Plano de Contingência de Gripe da Região Norte e as orientações internacionais, nomeadamente da Organização Mundial da Saúde, da Comissão Europeia e do Centro Europeu de Controlo e Prevenção das Doenças (European Center for Disease Prevention and Control – ECDC).

© Direcção Regional da Saúde 2008 Voltar ao topo