principal
Presidente
Governo Regional
Espaço Cidadão
Espaço Empresas
Sobre os Açores
  notícias Legislação Agenda fotos Contactos Mapa do Portal Ajuda
English VersionCHANGE LANGUAGE
Ver Em: entidades  temas
 

Presidência do Governo
Vice-Presidência do Governo, Emprego e Competitividade Empresarial
Secretaria Regional da Solidariedade Social
Secretaria Regional da Educação e Cultura
Secretaria Regional do Mar, Ciência e Tecnologia
Secretaria Regional dos Transportes e Obras Públicas
Secretaria Regional da Saúde
Secretaria Regional da Energia, Ambiente e Turismo
Secretaria Regional da Agricultura e Florestas

 
Comunicação Social
      

Receba as notícias do Governo dos Açores por RSS - clique aqui 

 

Ponta Delgada , 8 de Janeiro de 2020

Governo dos Açores quer regular de forma mais eficaz recolha de amostras para fins científicos, afirma Gui Menezes

O Secretário Regional do Mar, Ciência e Tecnologia afirmou hoje, em Ponta Delgada, que a proposta de alteração ao diploma que estabelece o regime jurídico do acesso e utilização de recursos naturais dos Açores para fins científicos pretende proteger os interesses da Região.

 

Gui Menezes, que falava no âmbito da Comissão de Assuntos Parlamentares, Ambiente e Trabalho da Assembleia Legislativa, considerou que esta alteração vai “assegurar uma partilha justa e equitativa” dos benefícios, que podem ser pecuniários ou a partilha de conhecimento e de projetos científicos, que possam advir de atividades de investigação que tenham por base os recursos naturais dos Açores.

 

Em causa está a alteração do regime jurídico, em vigor desde 2012, do acesso e utilização de recursos naturais dos Açores para fins científicos e tecnológicos.

 

O Secretário Regional referiu que o diploma criado pelos Açores foi "pioneiro”, acrescentando que “agora há necessidade de o atualizar e de o compatibilizar” com o regulamento europeu criado em 2014, que estabelece as regras de acesso aos recursos genéticos e de partilha dos benefícios, de acordo com o Protocolo de Nagoia, resultante da Convenção sobre a Diversidade Biológica.

 

Segundo o Secretário Regional, pretende-se “uma simplificação de processos”, sendo instituído o Certificado de Conformidade Internacionalmente Reconhecido (CCIR), válido por 10 anos, para a utilização de recursos naturais para fins científicos, que prevê os termos do acesso e do uso de amostras de recursos naturais.

 

A emissão do CCIR vai depender de parecer prévio, obrigatório e vinculativo, favorável do departamento do Governo Regional competente em função do recurso a aceder, ou de licença ou autorização, quando exigida por legislação específica, em função da natureza e/ou da localização do recurso.

 

Gui Menezes disse que se pretende que as amostras para fins científicos tenham a partir de agora aquele certificado, sendo que será criada para esse efeito uma plataforma eletrónica onde passam a estar disponíveis para consulta todos os CCIR existentes na Região.

 

“Queremos regular melhor e de forma mais eficaz as recolhas de amostras” na Região", frisou. 

 

No âmbito do diploma proposto serão também criadas regras para a monitorização e controlo de boas práticas, sendo criada uma autoridade competente, nomeadamente a Secretaria Regional do Mar, Ciência e Tecnologia.

 

Ainda no âmbito da mesma comissão da Assembleia Legislativa, o governante foi ouvido sobre a proposta de Decreto Legislativo Regional que estabelece o regime jurídico do processo de delimitação e desafetação do domínio público hídrico nos Açores.

 

Pretende-se que a Região passe a regulamentar, por diploma próprio, o processo de delimitação e desafetação do domínio público hídrico, seja ele marítimo ou lacustre.

 

De acordo com esta proposta, passa a ser considerada propriedade privada um terreno localizado junto à crista das arribas alcantiladas, um terreno integrado em núcleos urbanos consolidados ou ainda nos casos em que, entre o terreno e a margem, se interponha uma via regional ou municipal.

 

Desta forma, os proprietários deste tipo de terrenos não necessitam de recorrer a tribunal para ver reconhecida a respetiva propriedade privada sobre os prédios em causa.

 

No caso dos restantes prédios, a obrigatoriedade de recurso a tribunal mantém-se.

 

O diploma apresentado prevê ainda a criação de uma comissão de delimitação constituída por representantes do Governo dos Açores, da Autoridade Marítima, autarquias locais e pelo requerente do processo.

 

O diploma contou com o parecer positivo da Associação de Municípios e da Autoridade Marítima e esteve em consulta pública, tendo recebido um contributo. 


GsCS/GM
 
 
 
 
 
   
   Folha de Impressão   Enviar Enviar Notícia   GaCS Site do GaCS   Órgãos de Comunicação Social Órgãos de Comunicação Social   rss  
     

Últimas Notícias

Investimento do grupo hoteleiro Vila Galé comprova capacidade de atração da Região, afirma Vasco Cordeiro

Governo Regional lança concurso para construção de mais um reservatório para abastecimento de água à agricultura no Pico

Governo dos Açores ausculta população no âmbito do projeto de requalificação do Miradouro da Lagoa do Fogo

Taxa de imposto sobre os combustíveis não sobe nos Açores em 2020

Biblioteca Pública Luís da Silva Ribeiro, em Angra do Heroísmo, promove iniciativa para 'boardgamers'

Pesquisa
 
Onde?
Pesquisa Avançada >>
 


 
 

 

 




 
Jornal Oficial
Programa de Governo
Açores 2020
 PROMEDIA 2020
 O Governo dos Açores mais perto de si - clique para enviar e-mail
Roteiro AP
 Linha Verde Apoio ao Cidadão
 
Provedor do Utente da Saúde
 
  
Ouvir Esta Página OUVIR
Ir para o topo desta página TOPO
ajuda AJUDA
English VersionCHANGE LANGUAGE

 
Símbolo de Acessibilidade à Web
principal | Presidente | Governo Regional | Espaço Cidadão | Espaço Empresas | Sobre os Açores | O Meu Portal