Qualidade Água  |  Qualidade Serviços  |  Tarifários  |  Resíduos  |  QUAR  |  SIADAPRA  |  Programas de Apoio  |  V Seminário Técnico



Destaques
   
Últimos conteúdos
 
Publicados resultados da avaliação da qu...
Relatório de avaliação anual da qualidad...
ERSARA desenvolve ação de formação na Se...
IX Encontro Nacional de Gestão de Resídu...
 

Pode a entidade gestora de água, efetuar o corte no abastecimento de água pelo não pagamento de faturas?

No caso dos serviços de águas, estes devem ser prestados de forma contínua, apenas se admitindo interrupções em situações excecionais.

O abastecimento de água só pode ser interrompido no caso de se verificar:
    a) Deterioração na qualidade da água distribuída ou previsão da sua ocorrência iminente;
    b) Ausência de condições de salubridade no sistema predial;
    c) Trabalhos de reparação ou substituição de ramais de ligação, quando não seja possível recorrer a ligações temporárias;
    d) Trabalhos de reparação ou substituição do sistema público ou dos sistemas prediais, sempre que exijam essa suspensão;
    e) Casos fortuitos ou de força maior (acontecimentos imprevisíveis ou inevitáveis que impeçam a continuidade do serviço, apesar de tomadas pela entidade gestora as precauções normalmente exigíveis – não inclui greves);
    f) Deteção de ligações clandestinas ao sistema público;
    g) Anomalias ou irregularidades no sistema predial detetadas pela entidade gestora no âmbito de inspeções ao mesmo;
    h) Mora do utilizador no pagamento dos valores faturados relativos ao serviço de águas (abastecimento e saneamento).

Tratando-se de interrupção do serviço a um utilizador determinado, por atraso no pagamento da fatura, a entidade gestora deve avisar previamente o utilizador em mora, por escrito, com a antecedência mínima de 20 dias relativamente à data em que a suspensão venha a ter lugar. Este pré-aviso deve informar sobre o motivo da suspensão (ou seja, identificar as quantias em dívida), os meios ao dispor do utente para evitar a suspensão do serviço e para a retoma do mesmo (isto é, valor, local, prazo e modo de pagamento das quantias em dívida e da eventual tarifa de restabelecimento), bem como informar que o pagamento das quantias exigidas para evitar a suspensão do serviço ou garantir a sua retoma não obsta a que o utilizador faça valer os seus direitos nos termos gerais.
 Para a entidade gestora poder exigir o pagamento do serviço prestado e, no caso do atraso nesse pagamento, suspender o fornecimento, deve demonstrar o envio da fatura e do pré-aviso de suspensão de fornecimento. No caso da suspensão do fornecimento por atraso no pagamento, uma vez que está em causa a possibilidade de suspensão de um serviço que visa a satisfação de necessidades básicas dos cidadãos (e não apenas o vencimento de juros), por razões de certeza e de prova do cumprimento dessa obrigação, a ERSARA recomenda que o pré-aviso seja feito sob forma registada, ou outro meio equivalente, podendo os respetivos custos ser faturados ao utilizador em mora.

 Legislação a consultar:
- Artigo 60.º do Decreto-Lei n.º 194/2009, de 20 de agosto, alterado pelo Decreto-Lei n.º 92/2010, de 26 de julho, e pela Lei n.º 12/2014, de 6 de março;
- Artigo 5.º da Lei n.º 23/96, de 26 de julho, alterada pelas Leis números 12/2008, de 26 de fevereiro, 24/2008, de 2 de junho, 6/2011, de 10 de março, 44/2011, de 22 de junho, e 10/2013, de 28 de janeiro.

Numero de Visitantes
  530078  
Zonas
 

Açores
Corvo
Faial
Flores
Graciosa
Pico
Santa Maria
São Jorge
São Miguel
Terceira

 
  



 


  


 

HOMEMISSÃOEVENTOSLEGISLAÇÃOPUBLICAÇÕESRECOMENDAÇÕESCIRCULARESFORMULÁRIOSPERGUNTAS FREQUENTESLINKSCONTACTOS

©2004-2019 Presidência do Governo dos Açores
Todos os Direitos Reservados

Portal do Governo dos Açores
Governo Regional dos Açores  UE