Proteção Radiológica  |  PRAC  |  Avaliação Ambiental  |  Licenciamento Ambiental  |  PRTR  |  Emissões Atmosféricas  |  Qualidade do Ar Ambiente  |  Térmitas  |  Ruído  |  Extracção de Inertes



Destaques
 
Inventário Regional de Emissões de Poluentes Atmosféricos - IRERPA
 Mais »
Relatórios da Qualidade do Ar
 Mais »
Relatórios do Estado do Ambiente
 Mais »
Relatórios de Implementação do PRTR na RAA
 Mais »
 
Últimos conteúdos
 
Relatório da Qualidade do Ar 2019
Consulta pública da Renovação da licença...
Publicação de Declaração de Impacte Ambi...
Declaração de Impacte Ambiental da Provi...
 

Princípios gerais da proteção radiológica


A exposição de indivíduos a radiação ionizante, quer seja enquanto paciente num ato médico, como trabalhador responsável pela sua realização ou como trabalhador exposto em atividades que envolvam práticas não médicas, rege-se, no âmbito de um quadro regulamentar internacional, por 3 princípios fundamentais:

  • Justificação - nenhuma prática que envolva a exposição a radiação ionizante deve ser adotada a não ser que o benefício resultante para os indivíduos expostos ou para a sociedade seja maior que o detrimento causado.
  • Otimização - cada prática deve garantir que a exposição dos indivíduos seja tão baixa quanto razoavelmente atingível, tendo em conta fatores económicos e sociais, - normalmente designado por princípio ALARA (As Low As Reasonably Achievable).
  • Limitação das doses - a exposição dos indivíduos deve ser sempre mantida abaixo dos níveis estabelecidos.

>> Limites de dose

Em Portugal, os limites de dose estão estabelecidos pelo Decreto-Lei n.º 108/2018 de 3 de dezembro, encontrando-se de acordo com o prescrito na Diretiva 2013/59/EURATOM do Conselho, de 5 de dezembro, e dos quais se destacam:

Limites de dose para os trabalhadores expostos

O limite de dose efetiva para os trabalhadores expostos é fixado em 20 mSv por ano. Sem prejuízo, a autoridade competente pode autorizar uma dose efetiva que pode atingir 50 mSv num mesmo ano, desde que a dose média anual ao longo dos cinco anos consecutivos, incluindo os anos em que o limite foi excedido, não seja superior a 20 mSv.

Sem prejuízo deste limite, são ainda fixados os seguintes:

  • O limite de dose equivalente para o cristalino é de 20 mSv por ano ou de 100 mSv por um período de cinco anos consecutivos, desde que a dose máxima num ano não ultrapasse 50 mSv;
  • O limite de dose equivalente para a pele é fixado em 500 mSv por ano, aplicando -se este limite à dose média numa superfície de 1 cm2 de pele, independentemente da superfície exposta;
  • O limite de dose equivalente para as extremidades é fixado em 500 mSv por ano.

Limites de dose para membros do público

O limite de dose efetiva para membros do público é fixado em 1 mSv por ano.

Sem prejuízo do limite anterior, são fixados os seguintes limites:

  • O limite de dose equivalente para o cristalino é fixado em 15 mSv por ano;
  • O limite de dose equivalente para a pele é fixado em 50 mSv por ano, aplicando-se este limite à dose média numa superfície de 1 cm2 de pele, independentemente da superfície exposta.

<< Voltar

 

Numero de Visitantes
  986266  
Zonas
 

Açores
Corvo
Faial
Flores
Graciosa
Pico
Santa Maria
São Jorge
São Miguel
Terceira

 

 

 










 

HOMEMAPA DE SITEMISSÃOCONSULTAS PÚBLICASLEGISLAÇÃOBIBLIOTECA DIGITALPERGUNTAS FREQUENTESCONTACTOSFORMULÁRIOS ONLINE

©2004-2020 Presidência do Governo dos Açores
Todos os Direitos Reservados

Portal do Governo dos Açores
Governo Regional dos Açores  UE