Instrumentos Gestão  |  Licenciamentos  |  Domínio Público Marítimo  |  Intervenções  |  Atividades Marítimas  |  Zonas Balneares  |  Quality Coast  |  Biodiversidade Marinha  |  Áreas Marinhas







 

Contas de Gerência


Contratação Pública




Destaques
 
Águas Balneares | Açores 2014
 Mais »
Parque Marinho dos Açores
 Mais »
 
Últimos conteúdos
 
23 outubro 2019
Em Consulta Pública: Avaliação do estado...
Consulta Pública das águas balneares a i...
Contratação Pública
 

Ponta Delgada 14-03-2014


O Governo dos Açores está empenhado no esforço comum de articulação do funcionamento das redes de arrojamentos de cetáceos da Macaronésia, um tema que está hoje em debate na Conference on the Macaronesian Cetacean Health Network, a decorrer em Puerto de la Cruz, em Santa Cruz de Tenerife, Espanha.

“Pretende-se que esta reunião proporcione a articulação do funcionamento e potencie as redes de arrojamentos de cetáceos da Macaronésia (Açores Madeira e Canárias) e das áreas geográficas envolventes (Cabo Verde, Marrocos e Península Ibérica”, afirmou o Diretor Regional dos Assuntos do Mar.

Filipe Porteiro destacou especialmente “o objetivo de maximizar toda a informação que se poderá recolher, nomeadamente sobre as causas de morte destes organismos icónicos, numa perspetiva veterinária”.

A Rede de Arrojamento de Cetáceos dos Açores (RACA), estruturada em 2006, foi criada para minimizar as possíveis ameaças dos arrojamentos de mamíferos marinhos para a segurança e saúde humanas, tendo também como objetivo minimizar a dor e o sofrimento de animais arrojados vivos e obter o máximo de benefícios científicos e educacionais de animais arrojados, vivos ou mortos.

A RACA é coordenada pela Secretaria Regional dos Recursos Naturais, através da Direção Regional dos Assuntos do Mar, com a coordenação local dos Serviços de Ilha da Direção Regional do Ambiente, com recurso aos Vigilantes da Natureza.
 
Esta rede tem um comité científico que inclui biólogos da Universidade dos Açores nos polos da Horta, Terceira e São Miguel.

Os arrojamento nas zonas costeiras e marinhas estão sob a competência da Autoridade Marítima Nacional e Direção Regional dos Assuntos do Mar e, em termos operacionais, envolvem a cooperação da SEPNA-GNR, de outros departamentos da Administração Regional, desde os Serviços Florestais aos de Desenvolvimento Agrário, da Administração local, e ainda de instituições públicas, como clubes navais ou corporações de bombeiros.

Os objetivos da RACA foram alargados para abranger répteis marinhos e peixes de grande porte, como peixe-lua, jamanta e tubarão, entre outros animais que aparecem arrojados nas costas do arquipélago dos Açores.

Autor: GaCS/OG

Numero de Visitantes
  778156  
Zonas
 

Açores
Corvo
Faial
Flores
Graciosa
Pico
Santa Maria
São Jorge
São Miguel
Terceira

 
  

  










       

 

HOMEMISSÃOPROGRAMAS E AÇÕESLEGISLAÇÃOEVENTOSLINKSCONTACTOSFORMULÁRIOS ONLINE

©2004-2019 Presidência do Governo dos Açores
Todos os Direitos Reservados

Portal do Governo dos Açores
Governo Regional dos Açores  UE