Instrumentos Gestão  |  Licenciamentos  |  Domínio Público Marítimo  |  Intervenções  |  Atividades Marítimas  |  Zonas Balneares  |  Quality Coast  |  Biodiversidade Marinha  |  Áreas Marinhas







 

Contas de Gerência


Contratação Pública




Destaques
 
Águas Balneares | Açores 2014
 Mais »
Parque Marinho dos Açores
 Mais »
 
Últimos conteúdos
 
23 outubro 2019
Em Consulta Pública: Avaliação do estado...
Consulta Pública das águas balneares a i...
Contratação Pública
 

Horta 17-11-2011

Campanha “SOS Cagarro” salvou este ano 3.233 aves nos Açores


A campanha “SOS Cagarro”, que decorreu nos Açores entre 1 de Outubro e 15 de Novembro, permitiu salvar 3.233 cagarros juvenis em todas as ilhas do arquipélago.

A informação foi avançada quarta-feira à noite pelo Director Regional dos Assuntos do Mar, Frederico Cardigos, na apresentação dos resultados desta campanha, durante a qual foram também recolhidos 252 cagarros mortos e oito feridos.

Por ilhas, os maiores números de salvamentos registados ocorreram em São Miguel (788), Pico (588), São Jorge (514) e Faial (413), e os menores na Graciosa (93), Santa Maria (122), Terceira (211), Corvo (228) e Flores (276).

Segundo indicou Frederico Cardigos, na edição deste ano da campanha “SOS Cagarro” estiveram envolvidas, no conjunto das nove ilhas, 4.709 pessoas e 169 instituições, o que transforma esta iniciativa numa das “maiores acções ambientais” do país.

A título de curiosidade, refira-se que em São Jorge registou-se este ano uma adesão recorde de 1.264 pessoas envolvidas, no Faial foram anilhadas todas as aves devolvidas ao mar e em São Miguel houve um número recorde de 56 brigadas nocturnas.

O cagarro, cuja subespécie borealis nidifica sobretudo nos Açores, Madeira, Selvagens, Canárias e Berlengas, é a ave marinha mais abundante nas ilhas açorianas, ainda que, a nível mundial, a sua situação de conservação seja desfavorável.

Actualmente, existirão nos Açores entre 500.000 a 700.000 cagarros, entre os quais 188.000 casais reprodutores, correspondendo a cerca de 60 a 65% da população mundial da espécie (Calonectris diomedea) e a 75% da população mundial da subespécie (Calonectris diomedea borealis).

Há estimativas que indicam que se nada fosse feito pelos cagarros nos Açores, a população daquela que é a maior pardela a nidificar no hemisfério Norte poderia diminuir em 30% até 2050.

A 3 de Outubro de 1991, naquela que é uma decisão histórica na protecção do cagarro nos Açores, a Câmara Municipal do Corvo deliberou apagar a iluminação pública dos caminhos às 00:30 horas entre 13 de Outubro e 10 de Novembro “para proteger as pardelas de bico amarelo”.

Mais tarde, em Março de 1993, numa iniciativa do Doutor Luís Monteiro, que contou com a colaboração activa do Governo Regional e dos Amigos dos Açores, foram lançadas as campanhas “Um espaço para os garajaus” e “A escola e o cagarro”.

Na sequência destas iniciativas, em 1995 foi então criada pelo Doutor Luís Monteiro a campanha “SOS Cagarro”, no âmbito do projecto LIFE “Conservação das comunidades de aves marinhas dos Açores”, em que era parceiro o Governo Regional.

Actualmente, a campanha “SOS Cagarro”, que se desenvolve em duas vertentes – Educação Ambiental e Conservação da Natureza – e tem como principal objectivo envolver as pessoas e entidades no salvamento dos cagarros juvenis encontrados junto às estradas e na sua proximidade, é coordenada pela Secretaria Regional do Ambiente e do Mar.

Anexos
Resultados Campanha SOS Cagarro 2011
Autor: GaCS/FG

Numero de Visitantes
  778608  
Zonas
 

Açores
Corvo
Faial
Flores
Graciosa
Pico
Santa Maria
São Jorge
São Miguel
Terceira

 
  

  










       

 

HOMEMISSÃOPROGRAMAS E AÇÕESLEGISLAÇÃOEVENTOSLINKSCONTACTOSFORMULÁRIOS ONLINE

©2004-2019 Presidência do Governo dos Açores
Todos os Direitos Reservados

Portal do Governo dos Açores
Governo Regional dos Açores  UE