Pesquisa
 
 
Feed de RSS
  icon de rss Ver o feed  
Zonas
 

Açores
Corvo
Faial
Flores
Graciosa
Pico
Santa Maria
São Jorge
São Miguel
Terceira

 

.

<Outubro de 2020>
segterquaquisexsábdom
2829301234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930311
2345678
Últimos conteúdos
   
Destaques
 
Prémio Nacional da Paisagem
 Mais »
Prémio de Defesa Nacional e Ambiente 2009 | Zona Militar dos Açores
 Mais »
 
A agropecuária e a eutrofização da Lagoa das Furnas

A eutrofização é um fenómeno natural de lento envelhecimento dos ecossistemas lacustres, resultante da acumulação de detritos orgânicos e minerais provenientes dos restos de organismos que aí habitam e dos materiais oriundos da bacia de drenagem.

No entanto, no caso concreto da Lagoa das Furnas a degradação da qualidade da água intensificou-se num curto espaço de tempo, a partir dos anos sessenta do século XX, devido ao aumento da quantidade de nutrientes que afluem à lagoa. As atividades antrópicas, como arroteias de matos e floresta natural, terraplanagens e anos de agricultura intensiva com adubações não controladas e estrumes conduzidos pelas ribeiras, transformaram a lagoa numa massa de água em estado eutrófico. A recuperação deste ecossistema aquático é um processo lento que demorará vários anos de trabalho intenso com medidas correctivas e preventivas.

A alteração de paradigma das práticas agrícolas com o advento da monocultura da vaca, teve um efeito perverso nesta paisagem com o arroteamento de florestas nativas para criar pastagens e a substituição de pomares para os mesmos fins. Os agentes promotores da agropecuária, com esta alteração da paisagem e do seu relevo, iniciaram um processo prejudicial para a qualidade da água, como foi o da utilização excessiva de fertilizantes químicos que por lixiviação escorriam para a massa de água da lagoa, iniciando e contribuindo para o processo de eutrofização. O excesso de cabeças de gado nestas áreas criou uma pressão excessiva no solo, e de uma forma generalizada, as más práticas agrícolas eram norma. Esta atitude de desfavor dada ao ambiente tinha como consequência o escorrimento dos excrementos das vacas para as linhas de água afluentes à lagoa.

Contudo, não só a lagoa e as suas águas sofreram com esta prática semi-intensiva da agropecuária. A necessidade de criar condições ao nível do relevo para a prática da agropecuária exigiu aos seus promotores a intensa mobilização dos solos. Tal originou um grave problema de erosão do solo, que foi transportado para a massa de água da lagoa diminuindo consideravelmente a sua profundidade.

Calendário de Eventos
 
<Outubro de 2020>
segterquaquisexsábdom
2829301234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930311
2345678
 

HOMEA PAISAGEMSALVAR A LAGOADO PAPEL À AÇÃOO CENTROPARCERIASCONTACTOS E LOCALIZAÇÃONOTÍCIAS

©2004-2020 Presidência do Governo dos Açores
Todos os Direitos Reservados

Portal do Governo dos Açores
Governo Regional dos Açores  UE